Gastrite nervosa existe mesmo?



A Gastrite Nervosa é o nome popular da Dispepsia Funcional. Trata-se de uma dor ou desconforto gástrico sem um motivo específico, ou seja, não é possível encontrar uma causa para os sintomas.


O interior do trato digestivo encontra-se normal, o que é possível verificar através de uma endoscopia digestiva. Cerca de 6 em cada 10 pessoas com dor no estômago, apresentam dispepsia funcional.


A dispepsia funcional manifesta-se com:

  • Sensação de saciedade precoce;

  • Plenitude pós-prandial;

  • Dor epigástrica ou em queimação;

  • Distensão abdominal e eructações (arrotos);

  • Náuseas.

O diagnóstico é clínico, mas requer a exclusão de outras doenças gastrointestinais.


A endoscopia digestiva alta deve ser feita na presença de sinais de alerta, como:

  • Perda de peso, falta de apetite;

  • Despertar noturno com a dor;

  • Não melhora dos sintomas após tratamento medicamentoso e mudança de hábitos;

  • Sangramento;

  • Anemia;

  • Idade avançada;

  • Dificuldade e/ou dor para engolir.


Embora a Gastrite Nervosa seja angustiante e afete a qualidade de vida, não tem impactos a longo prazo na mortalidade.


Os tratamento disponíveis vão desde a tranquilização do paciente em relação à doença, modificação da dieta, mudança de hábitos, supressão de ácidos, medicamentos procinéticos, até a prescrição de antidepressivos e terapia psicológica.


A dispepsia funcional é comum, e o diagnóstico pode ser feito clinicamente na ausência de sinais de alerta.


O gastroenterologista deve ser consultado para realização de uma anamnese direcionada, exame físico e solicitação da endoscopia, caso seja necessário.


Até a próxima! Dra. Lílian Reggiani